logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

UFPR leva ciência para crianças do Hospital Pequeno Príncipe

Tiago Maciel Branco, paciente do hospital, observa exemplar de escorpião amarelo - Foto: Rodrigo Juste Duarte
Tiago Maciel Branco, paciente do hospital, observa exemplar de escorpião amarelo - Foto: Rodrigo Juste Duarte

Com uma conversa sobre controle de pragas domésticas, foi inaugurado oficialmente nesta quarta-feira (19) o projeto Roda de Ciência, uma parceria entre a UFPR e o Hospital Pequeno Príncipe, maior complexo pediátrico de média e alta complexidade do país. No bate-papo, o professor do Departamento de Química da UFPR Francisco de Assis Marques ensinou para crianças métodos simples de controle da proliferação da aranha-marrom, do escorpião amarelo e do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

O evento foi o primeiro de uma série de encontros que os pacientes do Pequeno Príncipe devem ter com pesquisadores de diversos departamentos da UFPR. “O trabalho do pesquisador não se resume a publicar artigos em periódicos internacionais”, diz Marques, idealizador da iniciativa. “Quem faz ciência precisa interagir com o mundo real.”

Thiago Maciel Branco, de 6 anos, interagiu o tempo todo com Marques. “Gostei muito do professor”, disse o paciente, que garantiu não ter medo de aranhas. Luísa Pereira, de 9 anos, achou importante alguns alertas feitos pelo pesquisador. “Não sabia que a maioria dos acidentes com aranha-marrom ocorre quando a vítima está dormindo”, contou.

Francisco de Assis Marques, do Departamento de Química da UFPR, fala sobre controle de pragas com as crianças - Foto: Rodrigo Juste Duarte
Francisco de Assis Marques, do Departamento de Química da UFPR, fala sobre controle de pragas com as crianças - Foto: Rodrigo Juste Duarte

Além de falar de maneira geral sobre o combate a insetos e aracnídeos em residências, o químico apresentou resultados dos experimentos que desenvolve com pesticidas contra aranha-marrom de origem natural e de baixa toxicidade. Uma forma de estimular nas crianças o interesse pela pesquisa. “Alguns alunos de escolas públicas onde dei palestras se tornaram meus estudantes na UFPR”, comenta.

No caso do projeto realizado no Pequeno Príncipe, o Roda de Ciência busca outros resultados além da educação científica. “Sabemos que esse tipo de evento gera efeitos na recuperação das crianças, que geralmente não tem contato com pessoas além da equipe médica e da família.” Da conversa desta quarta-feira participaram cerca de 30 pessoas, entre crianças e seus familiares, professores e funcionários do hospital. Ainda não há tema ou data definida para a próxima edição do projeto.

Célio Yano

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...