logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

UFPR assina acordo de cooperação, inédito no Brasil, com Corte Interamericana de Direitos Humanos

Zaki (ao fundo), ao lado de Gediel (esq.) e Gaio: excelência no ensino e na pesquisa garante mais um acordo internacional importante à UFPR

O reitor da UFPR (Universidade Federal do Paraná), Zaki Akel Sobrinho, assinou hoje (dia 2), em Curitiba, acordo de cooperação inédito no Brasil com a Corte Interamericana de Direitos Humanos. Seu objetivo é possibilitar que estudantes dos cursos de graduação e pós-graduação – sobretudo do curso de Direito – estagiem, desenvolvam pesquisas e façam o acompanhamento de casos em análise pela Corte. As duas organizações vão criar um comitê para definir os detalhes da parceria e colocá-la em prática, o que acontecerá já em 2015.

O advogado sênior da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Carlos Gaio, explicou que a UFPR foi escolhida como primeira universidade do Brasil a assinar o acordo, entre outros motivos, devido à excelência da formação acadêmica e profissional que oferece aos seus alunos no curso de Direito. “A UFPR é referência importante em vários cursos. O de Direito é um dos melhores do país”, comentou.

O reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho, elogiou a iniciativa. “O acordo é altamente positivo e possibilitará darmos mais um passo no vigoroso trabalho que desenvolvemos no campo da internacionalização”, comentou. O vice-reitor, professor Rogério Mulinari, também destacou a importância da parceria. “Vamos desenvolver várias atividades em comum, como no campo da pesquisa, permitindo que os nossos alunos ganhem mais experiência e aprimorem sua qualificação”, disse, ao lado dos professores José Antonio Peres Gediel e Tatyana Scheilla Friedrich, do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR, que também acompanharam a assinatura do acordo.

Análise de violações

Sediada em San Jose (capital da Costa Rica), a Corte Interamericana de Direitos Humanos é presidida por Humberto Sierra Porto e é formada por sete juízes – um deles do Brasil, Roberto Caldas, que assumiu seu cargo em fevereiro do ano passado, para um mandato de seis anos. A organização tem competência para julgar violações em todos os países signatários da Convenção Americana de Direitos Humanos, de 1969.

O Brasil é uma destas nações e ratificou seu compromisso com os termos da convenção em 1992. Um dos casos ocorridos no País apreciados pela Corte Internacional foi o assassinato do integrante do MST (Movimento Sem-Terra) Sétimo Garibaldi, ocorrido em novembro de 1998 na região de Querência do Norte, no Noroeste do Paraná. O caso foi analisado pela Corte Interamericana porque Sétimo teria sido assassinado a mando de um produtor rural da região.

 

 

 

 

 

 

pt_BRPortuguese