Solução inovadora que visa aproveitar as potencialidades do bio-óleo vence prêmio de jovens pesquisadores

31 agosto, 2022
11:35
Por Lais Murakami
0
Ciência e Tecnologia

O bio-óleo é um material semelhante ao petróleo, oriundo da biomassa (restos de animais e vegetais). A substância tem grande potencial de aplicação para obtenção de produtos similares aos de origem fóssil, que vemos no mercado. Entretanto, por ser quimicamente instável, há bastante dificuldade em aplicá-lo industrialmente. Uma das formas de simplificar o aproveitamento das diversas potencialidades do bio-óleo proveniente da madeira é estudada pela Engenharia Florestal e envolve o fracionamento desse produto, que consiste na separação de fases que o constituem.

Após concluir, em sua dissertação de mestrado, que a fase aquosa, oriunda do fracionamento em água fria do bio-óleo, pode ser aproveitada como um coproduto de natureza hidrossolúvel e renovável, a agora doutoranda do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ivana Amorim Dias, está desenvolvendo uma solução de inovação de purificação de compostos de alto valor agregado a partir da fase solúvel do bio-óleo.

Ivana representará a UFPR e o Brasil na etapa internacional do Blue Sky Young Researchers and Innovation Foto: Arquivo

“Aplicamos ao bio-óleo uma técnica chamada fracionamento, em que quebramos a emulsão que o compõe. Assim, é possível reduzir a reatividade e acessar as fases polar e apolar separadamente, visto que cada uma tem aplicabilidades distintas”, explica Ivana, que desenvolve o estudo com auxílio de seu orientador, Pedro Henrique Gonzalez de Cademartori.

A fase solúvel do material tem, em sua composição química, açúcares e alguns fenóis de menor peso molecular que são valorizados do ponto de vista industrial por terem grandes aplicabilidades, podendo ser utilizados em plásticos biodegradáveis, fármacos, cosméticos, aditivos alimentícios e até combustíveis.

“A solução de inovação é promover uma via de obtenção desses compostos presentes na fase solúvel em um sistema cíclico, com baixa geração de efluentes e resíduos, promovendo o aproveitamento eficiente dos recursos ambientais, além de reduzir a pressão de demanda por materiais de origem fóssil e as emissões de carbono”, esclarece a doutoranda.

A proposta de Ivana foi a campeã da etapa nacional do prêmio Blue Sky Young Researchers and Innovation Awards 2022-2023, promovido pela Indústria Brasileira de Árvores (IBA) e pelo International Council for Forest and Paper Associations (ICFPA). O objetivo do prêmio é selecionar jovens pesquisadores, estudantes e profissionais que tenham promovido projetos inovadores que possam contribuir para o desenvolvimento da indústria de base florestal mundial. O tema desta edição é “Construindo uma economia de baixo carbono com florestas e produtos florestais positivos para o clima”.

A etapa regional, realizada em São Paulo, concede ao jovem com o projeto mais inovador um prêmio no valor de R$ 8 mil. O orientador do projeto também recebe premiação no valor de R$ 5 mil. Agora Ivana representará a UFPR na etapa internacional, em que terá a oportunidade de apresentar seu projeto aos presidentes de empresas mundiais do setor florestal, no final de 2022.

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]