SBPC: vanguardista em estudos genéticos relacionados ao pênfigo foliáceo endêmico abre conferências  

24 julho, 2023
11:38
Por Jéssica Tokarski
0
Biológicas

Doença autoimune é um problema em certas regiões do Brasil, mas ainda é pouco conhecida

A programação científica da 75ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) teve início nesta segunda-feira (24), com a conferência da professora do Departamento de Genética da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Maria Luiza Petzl-Erler, que também é fundadora do Laboratório de Genética Molecular Humana (LGMH) e do grupo de pesquisa Imunogenética, iniciativas que, entre outros assuntos, pesquisam o pênfigo foliáceo endêmico (PFE). 

A doença autoimune ocorre devido a um mau funcionamento do sistema imunológico, levando o corpo a atacar os seus próprios tecidos, o que provoca bolhas na pele das pessoas afetadas. A condição também é conhecida como “fogo selvagem”, devido à sensação de queimadura que as bolhas causam, principalmente quando se rompem e deixam feridas pelo corpo todo. 

Na conferência, que ocorreu na manhã desta segunda-feira (24), Maria Luiza apresentou a doença, ainda pouco conhecida até mesmo pelo auditório que acompanhava a palestra e relatou as pesquisas realizadas por sua equipe e alguns dos resultados alcançados. 

O pênfigo foliáceo acontece de forma endêmica em algumas regiões, principalmente do centro da América do Sul. As pesquisas indicam que ela está relacionada a vários fatores, incluindo condições genéticas de suscetibilidade, fatores não genéticos acentuadores e, principalmente, um elemento ambiental desencadeador.  

Esse último pode estar associado a infecções virais, substâncias químicas, radiação ultravioleta, queimadura, alimentos, entre outros. Apesar de esforços realizados há décadas para tentar compreender quais fatores ambientais realmente sãos os responsáveis por desencadear a doença, ainda não se tem uma resposta concreta. 

“O fator ambiental desencadeador é necessário, porém não suficiente. A maioria das pessoas aparentemente é resistente a seu efeito. Apenas as pessoas geneticamente suscetíveis adoecem de fogo selvagem”, afirma a pesquisadora. 

É nessa linha, da investigação genética, que reside o estudo de Maria Luiza. “Nas duas últimas décadas, passamos a investigar o efeito da expressão gênica na doença. Com essa estratégia, descobrimos novos fatores de suscetibilidade. Os resultados de nossos estudos contribuem para o desenvolvimento de novas estratégias de diagnóstico, prevenção e tratamento, e na identificação de marcadores da doença”. 

Maria Luiza Petzl-Erler foi a primeira entrevistada da série que a Ciência UFPR está promovendo com conferencistas da UFPR integrantes da programação da 75ª Reunião Anual da SBPC. Confira a entrevista completa aqui

Consulte aqui a programação científica do evento.

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]