Projeto de extensão capacita mulheres contra discriminação e desigualdades

25 janeiro, 2018
14:29
Por Leonardo Bettinelli
0
Extensão e Cultura

O projeto Promotoras Legais Populares é gratuito e já formou mais de 300 mulheres.
Foto: Projeto Promotoras Legais Populares

Um projeto internacional para formação de mulheres em defesa de direitos, pautado no combate à discriminação e opressão, vem sendo implantado em Curitiba por intermédio do curso de Direito da UFPR. As Promotoras Legais Populares (PLP´s) atuam em vários países e em Curitiba, desde 2012.

Em cinco anos, mais de 300 mulheres já passaram pelo projeto na capital paranaense. A proposta das PLP´s é capacitar mulheres, oferecendo condições para que enfrentem situações de desigualdade de gênero cotidianas. A necessidade de lutar por reconhecimento e respeito, contra a violência, exploração, discriminação e desigualdade deram força à iniciativa.

As atividades são voltadas para mulheres trabalhadoras, estudantes, participantes dos movimentos sociais, de sindicatos, partidos políticos e comunidades tradicionais. Algumas das ex-participantes integram atualmente a organização do projeto de extensão, ao lado de outras profissionais e estudantes da UFPR.

O curso Promotoras Legais Populares é gratuito e conduzido por facilitadoras que possuem conhecimento e vivência sobre a temática em debate.

Victória Dobri Matsuda participa das atividades desde o início de 2017, quando ingressou no curso de Direito. Ela conta que atua na coordenação e organização dos encontros: “Como são mulheres muito diferentes, com diversas histórias, o aprendizado é gigantesco. O espaço é engrandecedor, permite um diálogo com realidades e há um ponto de conexão entre as participantes: o feminismo”.

No projeto, Victória também encontra uma identificação pessoal. “Há mulheres com pensamentos parecidos com os meus e que estão dispostas a lutar pela causa. O projeto enriquece muito, para além da faculdade, rompe com as barreiras da academia”, avalia.

A assistente jurídica Melissa Andrade fez parte da turma de 2016 e agora  compõe a coordenação do projeto. “As mulheres trazem experiências que são relatadas e trabalhadas durante o curso. Ao final do curso, as mulheres se sentem mais determinadas, com mais instrumentos para enfrentar as dificuldades trazidas pelas opressões vividas”, afirma.

Ao longo de 23 encontros durante o ano, o curso debate temas como educação popular feminista, sistema capitalista e a divisão sexual do trabalho, relações raciais, mulher e o espaço urbano, mulheres no campo e a agroecologia, direitos, sexualidade, resistência, entre outros.

Vanessa Silotti já sabia da existência do projeto, mas queria saber como funcionava na prática. A advogada foi uma das integrantes da sexta turma do curso, formada em 2017. “Descobri que o projeto vai muito além do conteúdo. A maior riqueza está no grupo formado por um universo de mulheres engajadas, enérgicas, múltiplas, coloridas, gente cheia de vida e força”, destaca a participante.

Além disso, Vanessa aponta que passou a compreender melhor a singularidade de cada movimento social. “A sororidade é algo que nos transforma, nos faz mais fortes e unidas. O curso proporciona essa conexão entre as mulheres, é como um elo de sustentação”, diz.

A coordenadora do projeto de extensão da UFPR, professora Melina Fachin, afirma que as Promotoras Legais Populares fazem parte de uma ação extraordinária. “As mulheres envolvidas são fabulosas, comprometidas com a luta”, ressalta. “O projeto trabalha com líderes comunitárias e as empodera, ao mesmo tempo em que aposta na força catalisadora delas nas comunidades e meios de convivência.”

A sétima turma do curso deve iniciar as atividades no mês de abril.
Foto: Projeto Promotoras Legais Populares

Histórico das PLP´s

As atividades do projeto na América Latina começaram em países como o Chile, Argentina e Peru, na década de 1980. As PLP´s iniciaram a trajetória no Brasil em 1992, durante o Encontro do Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher.

O primeiro curso aconteceu no Rio Grande do Sul (1993) e, na sequência, no estado de São Paulo (1994).

Atualmente, a iniciativa conta com o apoio do Instituto Brasileiro de Advocacia Pública (IBAP) e do Movimento do Ministério Público Democrático (MPD).

 

Campanha

Para manter a nova edição do curso o projeto da UFPR lançou uma campanha de financiamento para cobrir os custos do projeto em 2018.

A sétima turma deve iniciar as atividades no mês de abril. Em média, 60 mulheres participam por ano.

As colaborações podem ser feitas na plataforma catarse. Acesse aqui.

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]