logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Projeto da UFPR analisa locais e causas de acidentes com aves em Curitiba

Os choques de aves com vidraças são muito comuns nas grandes cidades. No mundo inteiro bilhões de aves são mortas todos os anos por colisões com vidros de janelas, muros de casas, construções comerciais e edifícios. Apenas nos Estados Unidos estima-se que anualmente cerca de 900 milhões de aves morram por este motivo.

Na UFPR, o grupo de pesquisas “Entre o vidro e a vida”, coordenado pelo professor Fabiano Montiani, do curso de Medicina Veterinária, deu um tratamento científico ao tema, fazendo um levantamento dos locais em Curitiba onde os acidentes ocorrem, o que acontecem com o organismo das aves quando se chocam com o vidro e quais as espécies de aves que são mais vulneráveis na nossa cidade. O objetivo é disseminar as informações relevantes ao tema e, com isso, buscar salvar aves.

Entre seus resultados, a pesquisa mostrou que a maioria das colisões nas janelas ocorre durante a primavera, a época de reprodução mais comum das aves no Brasil. Trauma cranioencefálico foi a lesão fatal mais encontrada. Uma particularidade dos achados da pesquisa feita em Curitiba foi que as aves não migratórias foram as maiores vítimas. Pesquisas em outros países demonstraram que as aves migratórias eram as maiores vítimas. O sabiá-laranjeira, junto com a pomba-de-bando (ou avoante) foram as espécies de aves que mais frequentemente morreram devido a este tipo de acidente. O aumento da atividade e da agressão relacionadas à época de reprodução, especialmente em machos, pode ser um fator mais importante para acidentes de colisão de janelas de vidro.
Metodologia

O projeto, que contou com a participação de alunos do Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias (PPGCV), consistiu em investigar quais as principais lesões encontradas nas aves mortas por este tipo de acidente. A então aluna do programa de doutorado, Gabrielle Adad Fornazari, organizou um site e uma página no Facebook, com orientações sobre como prevenir estes acidentes e como destinar as aves acidentadas. “O pessoal do SIGA-UFPR foi decisivo no auxílio da criação do nosso site que permitia ainda que as pessoas que localizassem aves que sofreram este tipo de acidente pudessem registrar o que viram, com a possibilidade de fazer o upload de uma fotografia da ave acidentada”, relata Gabrielle.  E completa: “Hoje comemoramos muito a publicação dos resultados desta pesquisa na mais recente edição de um dos principais jornais de medicina de aves do mundo: o “Journal of Avian Medicine and Surgery” (link para o artigo https://bioone.org/journals/journal-of-avian-medicine-and-surgery/volume-35/issue-3/20-00009/Window-Collisions-by-Birds-in-Brazil–Epidemiologic-Factors-and/10.1647/20-00009.short ).

A equipe que desenvolveu a pesquisa e escreveu o artigo científico publicado incluiu a médica veterinária e ex-doutoranda Gabrielle Adad Fornazari, o doutorando do PPGCV André Saldanha, o professor da UFPR Rogério Ribas Lange (Medicina de Animais Selvagens) e a professora da UFPR Tilde Froes (Diagnóstico por Imagem). Além do professor Fabiano Montiani-Ferreira (Médico Veterinário especialista em Oftalmologia Veterinária e Orientador do Projeto), a pesquisa também contou com o apoio de dois renomados pesquisadores americanos, o professor Daniel Klem Jr. e o professor Bret A. Moore. Bret A. Moore é professor de oftalmologia veterinária da Universidade da Flórida (UF) e Daniel Klem Jr. é um famoso ornitólogo americano, conhecido por suas pesquisas pioneiras sobre a mortalidade de pássaros devido a janelas de vidro. Acredita-se que seja hoje a maior autoridade no tema.

Mais Informações e fotos do projeto:

http://www.prppg.ufpr.br/entreavidaeovidro/
https://www.facebook.com/entreavidaeovidro/

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...