Estudo registra e avalia padrões cardíacos de lobos-guará em busca de preservação da espécie

22 setembro, 2021
21:56
Por Leonardo Bettinelli
0
Ciência e Tecnologia

Com seu porte imponente, o lobo-guará – maior canídeo da América do Sul – não demonstra a timidez e o fato de ser praticamente inofensivo. O animal típico do Cerrado é considerado essencial para o ecossistema por dispersar sementes de plantas nativas pelas fezes e por caçar pequenos roedores, contribuindo para a conservação do bioma.

Fêmea de lobo-guará capturada durante o inverno por armadilha fotográfica no instituto de conservação SCBI, localizado no estado da Virginia, nos EUA, onde os animais foram estudados. Imagem: arquivo SCBI

Como apenas 3% do habitat natural disponível para a espécie no Brasil está dentro de áreas protegidas, os animais acabam vivendo em áreas onde os encontros com humanos, veículos e máquinas agrícolas são comuns. Para integrar respostas comportamentais e fisiológicas e avançar no estudo do bem-estar do lobo-guará, o projeto de pesquisa The Rhythm of Life (O Ritmo da Vida), coordenado pela docente do Programa de Pós-Graduação em Fisiologia da Universidade Federal do Paraná, Rosana Nogueira de Moraes, realiza o monitoramento da frequência cardíaca da espécie no Smithsonian Conservation Biology Institute (SCBI), utilizando um dispositivo de apenas 2,4 g implantado sob a pele, próximo ao coração.

Os pesquisadores documentaram, de forma inédita, os parâmetros cardíacos naturais da espécie e identificaram as relações causais entre as mudanças na frequência cardíaca e fatores ambientais específicos que desencadeiam a ativação do sistema nervoso autônomo. A docente da UFPR aponta que os batimentos cardíacos aumentaram em resposta a pessoas, restrições, ruídos altos e interações sociais com outros lobos.

“Nosso principal objetivo é nos tornarmos especialistas no uso dessa tecnologia, para que possamos aplicá-la na conservação de lobos-guará e outras espécies ameaçadas de extinção na natureza”, destaca Rosana.

O implante em lobos-guará criados em cativeiro é considerado seguro e com mínimo impacto à saúde dos animais. A nova abordagem metodológica utilizada forneceu as primeiras métricas dos ritmos cardíacos naturais para a espécie. Os dados coletados, publicados recentemente no artigo “Inside out: heart rate monitoring to advance the welfare and conservation of maned wolves”, revelaram uma ampla variação natural para a espécie, com diferenças de até 300 batimentos entre a frequência cardíaca mínima e máxima para um mesmo indivíduo.

Veja detalhes do monitoramento na reportagem completa no site da Revista Ciência UFPR.

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]