logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Doutoranda em Educação avalia efeitos da parceria escola-família em artigo premiado

De que forma uma intervenção que utiliza literatura infantil com apoio dos familiares pode influenciar no desenvolvimento da empatia em estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental é o que investiga a doutoranda em Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Sarah Aline Roza. 

O artigo “Lendo emoções: efeitos da parceria entre escola e família em uma intervenção envolvendo a empatia e a literatura infantil no contexto da Covid-19” é um recorte de sua tese, já no último ano de produção. Escrita em conjunto com sua orientadora, Sandra Regina Kirchner Guimarães, e com o colega de pesquisa Vitor Yano, a publicação conquistou o 2º lugar no Prêmio Capes – Secretaria Nacional da Família, realizado por meio de uma parceria firmada entre a Coordenação e o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Sarah conta que a principal motivação para escolha do tema foi o interesse em programas de intervenção e seus efeitos diretos nas relações sociais das crianças. “Em conversas com a minha orientadora, decidimos fazer algo novo unindo a empatia e a compreensão da leitura em um projeto de intervenção com estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental para melhorar indicadores emocionais e cognitivos das crianças e verificar a eficácia do programa de intervenção”, afirma.

Sarah participou da cerimônia de premiação em Brasília. Foto: Arquivo Pessoal

Importância das habilidades socioemocionais para crianças

De acordo com a pesquisadora, a pandemia de Covid-19 trouxe inúmeros desafios e mudanças para a sociedade. Ficar em isolamento dentro de casa deu a oportunidade de identificar e refletir sobre como os valores, comportamentos cotidianos e rotinas acabaram sendo alterados pela pandemia. Mesmo que possa parecer difícil achar um lado bom no isolamento social, a doutoranda destaca que é possível perceber que algumas coisas foram positivas para a sociedade e, principalmente, para as crianças.

Na visão de Sarah, o tempo de confinamento dentro de casa foi capaz de mudar as relações entre pais e filhos, o que acaba refletindo na vida das crianças em sociedade. “Os pais tiveram mais tempo para interagir socialmente com seus filhos e puderam vivenciar mais de suas vidas. O artigo discute o que pode ser entendido como os possíveis efeitos dessa pandemia, considerando que o lar de crianças passou a ser um espaço de convívio e aprendizagem em um nível nunca antes imaginado”, explica.

A orientadora da tese e co-escritora do artigo observa que o debate sobre a mudança da grade curricular para as crianças é algo que tem se tornado cada vez mais frequente nos meios acadêmicos. Ela pontua a importância para a sociedade do tema escolhido e informa que já existem ações de órgãos oficiais para incentivar a adição de matérias que amplifiquem as habilidades socioemocionais das crianças.

“É possível dizer que as habilidades socioemocionais são indispensáveis para o bom relacionamento das pessoas em todos os sistemas sociais, seja no círculo familiar ou em um grupo mais amplo, como o escolar. Essa importância já foi reconhecida pela Base Nacional Comum Curricular (BCNN) 2017, que preconiza a necessidade de as escolas contemplarem o ensino dessas habilidades nos currículos”, destaca a professora.

Para a doutoranda, o prêmio evidencia a importância do ensino além das matérias convencionais nas escolas e a magnitude que o assunto pode ter para o futuro. “Representa o reconhecimento de trabalhar não apenas elementos cognitivos, mas também afetivos no ambiente escolar. Demonstra, ainda, que a empatia e a leitura de livros de literatura podem fazer muito bem para crianças e suas famílias”.

“A família, os professores e a comunidade são partes essenciais do trabalho com os estudantes. E essa parceria se tornou muito mais valiosa durante a pandemia”, conclui Sarah.

Prêmio Capes – Secretaria Nacional da Família 

Em 2022, ocorreu a primeira edição do evento, que contou com a presença de especialistas brasileiros e internacionais. “Fortalecimento dos vínculos familiares em tempos de pandemia” foi o tema central dos artigos. 

Para a premiação, foram selecionados os quatro melhores artigos de três categorias: “As relações familiares e o uso imoderado das novas tecnologias no contexto da pandemia”, “Estratégias de equilíbrio trabalho-família no contexto de isolamento social” e “Práticas parentais e desenvolvimento de crianças e adolescentes no contexto da pandemia”.

Os vencedores de cada eixo temático receberam um notebook novo. Os segundos, terceiros e quartos colocados ganharam um certificado de menção honrosa aos trabalhos. Todos os artigos premiados serão publicados no Observatório Nacional da Família (ONF) ainda durante o ano de 2022.

Por Emerson Araujo dos Anjos

Sob orientação de Bruna Bertoldi Gonçalves e Jéssica Tokarski

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...