Desmatamento da Amazônia torna Acordo de Paris impossível, diz Carlos Nobre

27 julho, 2023
08:57
Por Jéssica Tokarski
0
Carrossel

Estações secas cada vez mais longas e de chuvas, mais curtas. Este é o sinal de que a Amazônia está entrando em um ponto de não-retorno, rumo à savanização, afirmou nesta quarta-feira o cientista do clima Carlos Nobre, durante conferência na 75ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Curitiba.

Coordenada pelo vice-presidente da SBPC e também cientista do clima, Paulo Artaxo, a conferência evidenciou o alerta de Nobre para a grave situação da floresta Amazônica que, segundo ele, já perdeu 18% de sua cobertura por derrubada de árvores e incêndios nos últimos 40 anos. O fenômeno tem consequências globais – não apenas para os brasileiros ou sul americanos –, desde o aquecimento das temperaturas em todo planeta, até o risco de novas pandemias, já que vírus existentes apenas dentro da floresta, estão deixando o ecossistema devido ao desmatamento.

“A degradação florestal aumentou muito nos últimos anos”, reiterou Nobre, lembrando que grande parte da destruição é causada pela atividade pecuária. O desmatamento no Brasil é apontado pelos cientistas como um dos causadores do aquecimento global, junto às emissões industriais e o uso de combustíveis fósseis nos países mais desenvolvidos.

Foto: Jornal da Ciência/SBPC

Nobre alertou que as temperaturas globais médias já se elevaram em 1,15°C nos últimos anos e que, a seguir neste ritmo, tornará “impossível” o cumprimento do Acordo de Paris.

Assinado em 2015, durante a 21ª Conferência das Partes (COP21) da Organização das Nações Unidas, por 195 países, o Acordo de Paris tem o compromisso de manter o aumento da temperatura média global em 1,5°C acima dos níveis pré-industriais até 2030.

Carlos Nobre apontou a “bioeconomia da floresta em pé e rios fluindo” como uma alternativa sustentável de desenvolvimento para a região. Falou ainda das iniciativas que já vem sendo tomadas para mudar o foco produtivo atual de commodities para produtos de base agroflorestal mais lucrativos em projetos como o Amazônia 4.0.

Para ele, no entanto, qualquer solução, tanto socioeconômica quanto de enfrentamento ao aquecimento global, deve ser baseada em Ciência, Tecnologia e Inovação. Nesse sentido, ele anunciou o avanço dos estudos de viabilidade do Instituto de Tecnologia da Amazônia (AmIT), que tem como objetivo transformar conhecimentos científicos e tradicionais em inovação tecnológica em prol da conservação da floresta. “A ideia é fazer um MIT na Amazônia”, disse o cientista, referindo-se ao Massachussets Institute of Technologies, nos Estados Unidos, centro de excelência em CT&I mundial.

Assista à conferência “A Amazônia próxima de um ponto de não retorno: por que é necessária uma economia de floresta em pé? ” na íntegra, pelo canal da UFPR no Youtube.

Por Janes Rocha – Jornal da Ciência

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]