Antoninenses aprendem a confeccionar indumentárias das baianas

22 julho, 2013
17:25
Por Priscila
0
Extensão e Cultura

Oficina de confecção de indumentária carnavalesca - Foto: Joelma Filipowski

Os participantes da oficina de carnaval, realizada semana passada durante o 23º Festival de Inverno da UFPR, desfilaram com as indumentárias de baiana que confeccionaram sob a supervisão do carnavalesco André Marins, do Rio de Janeiro. Participaram da oficina cerca de 30 pessoas, entre elas, integrantes das escolas de samba e blocos carnavalescos de Antonina, dirigentes, costureiras e foliões.

Durante a oficina, explica o ministrante, os moradores de Antonina e região tiveram a oportunidade de escolher o material (tecidos e arames), cortar o molde, fazer o acabamento final e desfilar com a indumentária confeccionada (fantasia e chapelaria). “Venho no Festival para ministrar oficina e, ao mesmo tempo, aprendo bastante com os participantes, que sempre têm sugestões para dar, inovam no tipo de material para compor o figurino, etc.”.

André Marins, que há quinze anos atua como carnavalesco, explica que a ala das baianas é considerada uma das mais importantes dentro de uma escola de samba. Essas “Mães de Samba”, esclarece ele, conquistaram uma nova importância na expressão cultural e artística, dentro do chamado carnaval espetáculo. Agora, as baianas não necessariamente se vestem de branco, com anáguas e saias rodadas. Atualmente elas figuram como personagem, no contexto do figurino do samba enredo.

Marins ministra pela terceira vez oficina no Festival da UFPR, sempre abordando a temática carnavalesca (adereços e carros alegóricos). Ao longo de sua experiência no mundo do carnaval, participou de diversas escolas de samba como Ilha do Governador, Acadêmicos de Santa Cruz, Vai Vai, e Lins Imperial. Conta, ainda, que para as escolas de samba, o carnaval começa em maio, com a confecção de protótipos, de carros alegóricos, trabalho este que envolve ferreiro, marceneiro, pintor e escultor. Na sequência, começa a confecção de adereços e trajes.

Produção de uma semana de Festival será apresentada neste sábado (20) - Foto: Marcos Solivan

Aprendizado que fica

O antoninense Eloir dos Santos Dias Fernandes, de 26 anos, conta que é a terceira vez que participa das oficinas de carnaval do Festival de Inverno da UFPR. Ele tem grande interesse na temática porque há onze anos desfila e trabalha em escolas de samba de Antonina. A paixão pelo carnaval é familiar, explica Eloir, pois conta com a companhia da esposa, que é coreógrafa e da filha e enteada, que são destaques de ala. No próximo ano, já têm presenças garantidas na Escola Leões de Ouro e no Bloco Folclórico Boi do Norte.

Eloir avalia que estas suas participações nas oficinas de carnaval, sempre ministradas por André Marins, o aprendizado foi tão grande que a produção do material “adereços, fantasias, carros alegóricos “melhorou em 100%. Só não fica melhor porque não temos a mesma quantidade, qualidade e variedade dos produtos utilizados na decoração do carnaval do Rio de Janeiro ou São Paulo”, exemplifica ele. Os recursos para a realização do carnaval em Antonina também é pequeno. “Contamos com o que é repassado pela Secretaria de Cultura do Município (verbas dos patrocinadores). Como a verba é insuficiente fazemos bingos e rifas para complementar”, informa o carnavalesco.

Celsina Favorito

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]