logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Tese da UFPR sobre reconhecimento facial é premiada pela SBC

O artigo “Real-time 3D face recognition using low-cost acquisition devices” de Maurício Pamplona Segundo, aluno de doutorado em Informática da UFPR, foi classificado em terceiro lugar no XXVII Concurso de Teses e Dissertações da Sociedade Brasileira de Computação, na categoria Doutorado.

A tese foi orientada pelos professores Luciano Silva e Olga Bellon, do Departamento de Informática da UFPR, e Sudeep Sarkar, da University of South Florida.

Tecnologia pode ser usada para verificar a identidade de usuários em ambientes de alta segurança.

O aluno projetou um sistema de reconhecimento facial em tempo real que usa sensores de baixo custo, e também criou um mecanismo para adaptar o sistema desenvolvido com os métodos atuais de identificação. O sistema desenvolvido é o primeiro sistema de reconhecimento facial em 3D totalmente automático que usa dispositivos de captura de baixo custo. O módulo de detecção facial do sistema, que usa a geometria facial, é um dos módulos com os melhores resultados já obtidos; ele consegue lidar com sucesso com os problemas mais comuns em imagens tridimensionais.

Segundo Pamplona, o método pode ser usado para o controle de acesso de usuários a equipamentos em ambientes de alta segurança, por exemplo, em computadores de agências governamentais, militares e outros.  Diferente dos métodos atuais, esse sistema é capaz de monitorar a identidade do usuário durante todo o acesso, e não apenas no momento do acesso.

Outras aplicações possíveis incluem a proteção a registros médicos em hospitais. “Esse é um problema nos Estados Unidos, os hospitais gastam muito dinheiro por causa de vazamento de dados”, explicou Pamplona. O controle de manuseio de maquinário pesado, que exigem alto nível de experiência, também pode ser feito com esse método.

O detector de faces 3D foi testado com mais de 13 mil imagens de 630 indivíduos, a maioria contendo uma ou mais variações de pose, iluminação, expressões faciais e outros. O sistema foi capaz de detectar 99% das faces. “Esses resultados representam o estado-da-arte em detecção facial 3D”, afirma o autor em seu artigo. Os testes feitos com o sistema de autenticação contínua tiveram o menor índice de erros já registrado na literatura acadêmica, e o sistema foi capaz de identificar impostores em menos de um segundo.

Por Helen Mendes

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...