logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Pesquisa vê a participação das mulheres em rodeios e atividades equestres na região metropolitana de Curitiba

O tradicional mundo dos rodeios campeiros se abre para mulheres, pioneiras em um meio predominantemente masculino. Foto: Miriam Adelman
O tradicional mundo dos rodeios campeiros se abre para mulheres, pioneiras em um meio predominantemente masculino. Foto: Miriam Adelman

Os rodeios e outras atividades equestres, parte da cultura “campeira” do Sul do Brasil, têm tido cada vez mais a participação de mulheres. Para estudar esses processos de mudança numa população que recebe menos atenção do que o mundo urbano nos estudos de gênero, um grupo de pesquisa da UFPR procurou responder uma série de questões sobre relações de gênero, corpo e sexualidade em contextos de trabalho e lazer, em meios rurais e semi-rurais.

O estudo foi coordenado por Miriam Adelman, professora do programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPR. Um dos resultados do trabalho é um livro de fotografias feitas na região de Curitiba com moradores em suas atividades a cavalo.

O trabalho surgiu do interesse pessoal de Miriam Adelman pelas atividades equestres. Em seus passeios a cavalo aos domingos, ela percebeu que as cavalgadas comunitárias reúnem pessoas de idades e gêneros diferentes na região metropolitana de Curitiba – ao contrário do que acontece em outras atividades de domingo comuns nos espaços públicos da região, como futebol, encontros em bares e nas ruas.

A partir dessa observação das atividades equestres na vida cotidiana, a pesquisa teve início com o universo dos rodeios organizados pelos Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) paranaenses, para depois ser ampliada para um campo etnográfico maior.

Miriam diz que seu interesse é pela tensão entre as normas femininas e as práticas esportivas, e em que medida elas podem quebrar tabus e barreiras. As questões que a pesquisa procurou responder se inserem numa temática de relações e representações de gênero, corpo e sexualidade em contextos de trabalho e lazer, em meios rurais, semi-rurais e “rurbanos”.

Cavalgadas reúnem homens e mulheres nos fins de semana na região metropolitana de Curitiba. Foto: Miriam Adelman
Cavalgadas reúnem homens e mulheres nos fins de semana na região metropolitana de Curitiba. Foto: Miriam Adelman

A pesquisa foi financiada pelo CNPq, por meio do edital “Relações de Gênero, Mulheres e Feminismos”, de 2012. Miriam Adelman participou, em setembro passado, de um seminário de apresentação dos resultados dessa chamada pública. O evento aconteceu em Brasília, promovido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Segundo Miriam Adelman, dentre quase 30 trabalhos apresentados no Grupo de Trabalho sobre Mulheres e Gênero no Meio Rural, apenas um trabalho, além do seu, tratava de temáticas relacionadas ao lazer das mulheres no meio rural. O outro trabalho, conta Miriam, chegou à conclusão de que pouquíssimas mulheres tinham um lazer fora de atividades convencionais como as que se organizam através de igreja e família, mencionando algumas mais jovens que estavam começando a praticar o futebol. “O nosso trabalho apresenta uma situação muito diferente – o que reforça nossa hipótese sobre a possibilidade transgressora contida no nosso campo – mostrando meninas e mulheres praticantes de esportes equestres em número cada vez maior”, avalia.

A pesquisa continua em curso, e agora tem novos focos, como a relação entre o lazer no mundo equestre e o futuro vocacional dos jovens. “Percebemos, por exemplo, que a prática dos meninos muitas vezes evolui de prática de lazer para a prática profissional, e que isto dificilmente acontece com as meninas, a não ser que tenham oportunidade de fazer um curso superior e pós-médio como zootecnia ou veterinária”, diz Miriam. O interesse também é em ver como discursos sobre diferença e diversidade podem ou não estar entrando no horizonte destes jovens.

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...