logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Mais universidades vão se integrar ao Grupo Tordesillas

palestra do representante do MEC no encontro dos reitores do Grupo Tordesillas. Foto: Marcos Solivan

O Grupo Tordesillas formado por 54 universidades do Brasil, Espanha e Portugal passa a contar com mais quatro instituições, entre elas uma paranaense, a Universidade Estadual de Maringá. As outras são as Universidades Carlos III de Madri, Espanha e as federais de São João Del Rei (MG) e do Rio Grande (RS). Os reitores das instituições integrantes do Grupo participam até o fim da tarde de terça-feira (12) em Curitiba do encontro organizado pela UFPR que tem como tema central as interfaces na ciência Tecnologia e Inovação entre os três países.

Na manhã desta segunda feira, o secretário de Educação Superior do MEC, Paulo Seller, falou sobre as políticas públicas na educação, com ênfase na internacionalização. O Governo Federal quer dar ênfase aos programas de mobilidade internacionais. O Ciências sem Fronteiras, que até 2015 deve levar cem mil universitários para outros países é um deles. A metade dessas bolsas já foi concedida, segundo o representante do MEC. E para reduzir as dificuldades com a compreensão de outros idiomas, o governo criou o Inglês sem Fronteiras e agora está lançando o Espanhol sem Fronteiras e a seguir virá o Francês sem Fronteiras. Está sendo estudado ainda um projeto para ensinar mandarim, já que o intercâmbio entre brasileiros e chineses é cada vez maior, destacou Paulo Seller. Participam do Ciências sem Fronteiras 36 países.
DISCIPLINAS EM INGLÊS ─ O representante do MEC no encontro destacou que a meta agora para a Pós-Graduação é fazer com que as universidades brasileiras ofertem disciplinas em Inglês nos cursos de mestrado e doutorado. Algumas já fazem isso, mas é preciso ampliar. Outra proposta é criação de programas que façam o processo contrário do Ciências sem Fronteiras, que é a oferta de bolsas para que estudantes estrangeiros venham para o Brasil.

encontro dos reitores do Grupo Tordesillas. Foto: Marcos Solivan

Para o vice-reitor da Universidade Nova de Lisboa, António Rendas, que nesta terça-feira assume a presidência do Grupo Tordesillas em subtituição ao reitor Zaki Akel Sobrinho da UFPR, a meta é criar novos colégios doutorais para aprimorar pesquisas e tecnologia. Hoje são quatro grupos que desenvolvem estudos conjuntos e agora podem ser criados outros nas áreas de nanotecnologia, estudos em saúde, estudos transmidiáticos e gerenciamento de sistemas costeiros. Os colégios doutorais são importantes para o desenvolvimento das nações, destacou o futuro presidente do Grupo Tordesillas.

Ainda hoje os reitores participam de mesas-redondas sobre os colégios doutorais e fazem uma avaliação das pesquisas em andamento. Na terça-feira (12) serão quatro mesas-redondas sobre os Impactos ambientais das novas tecnologias, experiência em internacionalização da pesquisa, estudos culturais e transmidiáticos e gerenciamento de sistemas costeiros. Cada universidade explica o que vem desenvolvendo nessas áreas para definir novas estratégias de pesquisa.

O próximo encontro do grupo todo está marcado para maio de 2014 em Lisboa.

Sugestões

Progepe lança atividade de saúde e longevidade para aposentados
Aposentadoria nunca foi sinônimo de inatividade. Pensando na qualidade de vida dos servidores aposentados,...
Ciência UFPR: Molécula-ímã tem potencial para revelar a bioquímica por trás de doenças
Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar...
“A SBPC é a marca de que o Brasil acredita e produz ciência da mais alta qualidade”, diz ministra do MCTI
Entre 23 e 29 de julho, aconteceu na Universidade Federal do Paraná (UFPR) a 75ª Reunião Anual da Sociedade...
Série sobre a ciência produzida nas Universidades brasileiras estreia na TV Brasil
A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições...