logo_branca_ufpr

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ


UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Novas variedades de cana-de-açúcar lançadas pela UFPR aumentam produtividade

A Universidade Federal do Paraná lançou hoje na sede da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), em Paranavaí, três variedades de cana-de-açúcar que deverão gerar aumento de produtividade da ordem de 10% em relação às atuais e ajudarão a alavancar ainda mais o setor agrícola do Estado. O Paraná é o quarto produtor do Brasil, com área plantada de 620 mil hectares, o que resulta em uma colheita de 44 milhões de toneladas de cana-de-açúcar/ano.

As variedades foram obtidas como resultado de pesquisas feitas pelo Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar (PMGCA/UFPR/RIDESA), ligado ao Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo do Setor de Ciências Agrárias da UFPR, com o apoio do setor sucroalcooleiro do Paraná.

Variedade RB 036066 será apresentada no evento
Variedade RB 036066 será apresentada no evento

Benefícios à economia do Paraná

O projeto recebe pleno apoio da Reitoria da UFPR, que está garantindo à Universidade papel cada vez mais relevante na economia do Estado. “As pesquisas que resultaram nas novas variedades de cana-de-açúcar vão contribuir para aumentar a produtividade no setor, gerando emprego e renda e, ainda, causando grande impacto positivo à economia do nosso Estado. É um benefício que comprova, mais uma vez, o compromisso da UFPR com o Paraná e a excelência do trabalho que realizamos”, disse o reitor Zaki Akel Sobrinho, que participou do lançamento, em Paranavaí.

O coordenador do Programa de Melhoramento da Cana-de-Açúcar e professor titular do Departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo do Setor de Ciências Agrárias da UFPR,  Edelclaiton Daros, explicou que a última liberação de variedades da UFPR foi em 2010. “Desde então, estamos selecionando materiais e trabalhando muito na obtenção de novas variedades para oferecermos os melhores materiais para o produtor. São variedades que foram escolhidas estrategicamente pela Universidade e que se completam ao longo da safra, nos mais diferentes ambientes”, disse.

Ridesa

Daros explicou as características das três variedades. Uma delas (a RB036091) é altamente produtiva e adaptada ao plantio e à colheita mecanizada.  Já a RB036088 é própria para ambientes de média produção, apresenta alta produtividade e colheitabilidade. E a RB036066 se destaca pelo seu elevado potencial produtivo e elevado teor de sacarose, sendo recomendada para ambientes D, considerados restritivos.

O Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar é parte da Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro (Ridesa), formada por dez universidades federais. Na safra de 2015, 68% das variedades de cana-de-açúcar  plantadas no Brasil tiveram origem na Rede. No Paraná, a Ridesa responde por 83% da área de cultivo de cana.

“Todo o trabalho de anos em pesquisa com cana teria acabado quando o Planalsucar foi extinto, em 1990. Teria sido incalculável o prejuízo do país se as Universidades Federais não tivessem se organizado e formado a Ridesa”, disse Daros. No mesmo evento, houve também o lançamento do “Livro de Variedades RB”, publicação que descreve os quarenta e cinco anos do programa Variedades RB, já com noventa e quatro variedades.

Por Simone Meirelles e Aurélio Munhoz

en_USEnglish