Editora UFPR lança quatro obras nesta quinta-feira (15)

14 maio, 2014
17:40
Por
0
Extensão e Cultura

A Editora UFPR lança nesta quinta-feira (15) quatro novos títulos em evento que contará com a presença dos autores para sessões de autógrafos. O lançamento simultâneo das quatro obras será feito, às 18h30, durante o V Seminário Nacional Sociologia & Política, no pátio da Reitoria.

Serão lançados: ‘À margem do(s) cânone(s): Pensamento social e interpretações do Brasil’, organizado por Alexandro Dantas Trindade, Hilton Costa e Diogo da Silva Roiz; ‘Ciência do homem e sentimento da natureza: viajantes alemães no Brasil do século XIX’, de Ana Luisa Fayet Sallas; ‘Letras e política no Paraná: Simbolistas e anticlericais na República Velha’, de Maria Tarcisa Silva Bega; e ‘Memórias da morte e outras memórias – lembranças de velhos’, de Marisete Teresinha Hoffmann-Horochovski.

Veja abaixo um texto de apresentação de cada uma das obras:

À Margem do(s) Cânone(s): Pensamento Social e Interpretações do Brasil
Alexandro Dantas Trindade, Hilton Costa e Diogo da Silva Roiz

A originalidade desta proposta está no tratamento de escritores pouco lembrados no registro acadêmico. Tal posição explica o título do livro: intelectuais que estiveram ou “à margem” do debate de seu tempo, ou “à margem” das agendas de pesquisas recentes. Assim, a escolha do objeto não se apoia na originalidade desses autores ou na sua contribuição à teoria, mas não desconhece o efeito político-social das ideias no momento em que foram defendidas. Muito menos supõe ser o caráter progressista das mesmas que preside sua aplicação.

Ciência do Homem e Sentimento da Natureza: Viajantes alemães no Brasil no século XIX
Ana Luisa Fayet Sallas

Ana Luisa, nesta obra, nos convida a mergulhar no universo da visualidade oitocentista. Apoiada em trajetórias de três viajantes: o príncipe Maximilian Alexander Philip de Wied-Neuwied (1815-1817), Carl Friedrich Phillip von Martius (1817-1820) e Johann Moritz Rugendas (1822-1825), todos envolvidos em empreendimentos de natureza científica e movidos pelo mesmo propósito de descobrir as riquezas e belezas desta parte do Novo Mundo, a autora realiza uma pesquisa minuciosa buscando definir nexos entre a produção de imagens pictóricas, o pensamento científico e o romantismo germânico. Cenários foram construídos para que o enredo da descoberta, do progresso e da civilização se desenrolasse. Os personagens identificados pelo binômio Nós/Outros ajudaram a dar corpo e figura ao bom selvagem, ao bárbaro e ao não civilizado, como marcas de alteridades que fincaram raízes profundas no imaginário sobre os indígenas brasileiros. Paralelamente, o viajante, o naturalista, o civilizador é também o outro, aquele que só entende o desconhecido por meio de esquemas visuais preestabelecidos, enquadrando-o com tipologias próprias.

Letras e Política no Paraná: Simbolistas e Anticlericais na República Velha
Maria Tarcisa Silva Bega

O movimento simbolista no Brasil é tratado com o mesmo estigma com que era em fins do século XIX: umcorpo estranho em nossa realidade, absenteísta, lunático (“nefelibata”), solipsista e visionário. Entretanto, faz parte de nossa realidade literária. Muito dessa marginalização, e da contradição que carrega, se deve ao fato de se alienar o Simbolismo dos simbolistas e estes, da vida social. É por desaliená-los que este livro de Maria Tarcisa se torna importante. Ajuda-nos a compreender o Simbolismo a partir do fato de ter-se enraizado e consolidado no Paraná de uma maneira politicamente ativa. Para que se tornasse possível trazer à luz os vínculos dessa literatura com a história, a autora não teve dúvidas de reconstruir o contexto sociocultural do Paraná entre 1890 e 1920, valendo-se também, mas não exclusivamente, de aspectos (os biográficos, por exemplo) que a crítica literária costuma menosprezar. Esta é uma das ousadias que a socióloga conseguiu equilibrar com a desafetada modéstia de quem intuiu haver no Simbolismo brasileiro mais representação da sociedade do que aquela velada pela polissemia dos símbolos. Aprendemos assim que, além da musicalidade e das visões, o Simbolismo se caracterizou, no Paraná, pela construção coletiva de uma identidade regional, outra “nuvem civil sonhada”, conforme diria o poeta.

Memórias de Morte e Outras Memórias: Lembrança de Velhos
Marisete T. Hoffmann-Horochovski

Este livro é dedicado às transformações no universo simbólico da morte a partir de memórias de velhos com mais de setenta anos que vivem na cidade de Curitiba. Suas lembranças, resgatadas através da história de vida e da história temática, possibilitam pensar as mudanças nas práticas rituais, nas crenças em torno da continuidade da existência e nas formas de expressar publicamente o luto. Por meio de suas falas, é possível perceber como a morte vai, gradativamente, se tornando um tema pouco comentado e nomeado. É, portanto, um livro que fala de morte. Mas também é um livro que fala de vida. Isso porque no trabalho de lembrar e narrar, os acontecimentos estão entrelaçados. Outros tempos e espaços vão ganhando contornos. Outras lembranças merecem ser registradas, pois traduzem experiências significativas vivenciadas ao longo de toda uma existência.

Sugestões

14 agosto, 2023

Desenvolvido na UFPR por parceria internacional, magneto molecular Dy(pn)Cl pode ajudar a investigar o ambiente químico em torno […]

10 agosto, 2023

No último dia 03, aconteceu a posse da nova Direção do Setor Palotina, Gestão 2023 – 2027, com […]

09 agosto, 2023

O projeto de extensão “Pré-Vestibular Comunitário”, do setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), está com inscrições […]

07 agosto, 2023

A série “Cientistas do Brasil” é uma produção que mostra a ciência produzida por pesquisadores das Instituições Federais […]